Atividade EUReflect: DebatEuropa

Atividade #2: “O nosso Bairro em Ação: A Europa Aqui”

Uma sessão de cinema inspiradora. Uma conversa amena e franca. Um debate para impulsionar a ação. Um convívio saboroso. Eis um resumo da atividade “O nosso Bairro em Ação: A Europa Aqui”, que a Rede DLBC Lisboa organizou com o Clube Intercultural Europeu e os LYN, um grupo informal de jovens que está a dar os primeiros passos na intervenção comunitária num bairro do Beato.

 

 

Final da tarde de quarta-feira, dia 13 de fevereiro. Bairro Municipal João Nascimento Costa, Beato. O grupo LYN – quatro adolescentes do bairro responsáveis pelo Espaço Jovem do C3 – está sentado lado a lado com um representante da Junta de Freguesia do Beato e outro do Clube Intercultural Europeu, organização da sociedade civil que intervém neste território, inclusive com este quarteto.

Antes do arranque da atividade, uma mão cheia de crianças do bairro passeia-se de um lado para outro pela sala ampla que acolhe esta iniciativa coorganizada pelos LYN, pela Rede DLBC Lisboa e pelo Clube Intercultural Europeu.

Em breve vamos saber o que estes teenagers cheios de energia e de boas ideias estão a magicar para a comunidade do bairro, mas primeiro a Sara Pisco, da Rede DLBC Lisboa, apresenta de forma sucinta o projeto WISE, no âmbito do qual foi programada a conversa-convívio “O nosso Bairro em Ação: A Europa Aqui”, segunda parte da atividade “DebatEuropa”. 

Depois de um pequeno convívio, desligam-se as luzes e “Ação!”. A música eletrónica e as luzes psicadélicas que introduzem o filme grego “Party Animal” começam a invadir a sala. No final desta curta-metragem [escolhida pelos LYN na atividade anterior do “DebatEuropa”] é música clássica que ouvimos e um lar de idosos que vemos transformado numa academia de dança monitorizada por um jovem que aí trabalha e a quem a União Europeia permitiu realizar um sonho.

 

Que atividades um filme grego pode inspirar num bairro lisboeta?

Já em círculo, um elemento dos LYN partilha com a plateia que se “identificou” com o filme que acabámos de ver. Gostava, de algum modo, de estabelecer uma relação mais próxima com os seniores do seu bairro, à imagem do vínculo que o protagonista do “Party Animal” conseguiu criar com os idosos do lar para o qual foi trabalhar contrariado depois de uma noite de farra. Quer “cativá-los” de uma atividade regular.

A ideia inicial deste coletivo era levar as pessoas mais velhas que “mal saem de casa” a um complexo desportivo da freguesia como intermediários, depois de terem sido benificiários de uma visita a este espaço municipal. Ao longo desta conversa chegam à conclusão que é melhor criar primeiro proximidade, através de atividades no bairro, antes de levar os idosos onde quer que seja.

Hugo Santa Marta, Técnico da Comissão Social da Freguesia do Beato, vai ouvindo e registando num caderno as ideias que os adolescentes vão soltando: aulas de zumba, cinema, xadrez para os mais idosos; torneios de ping pong e futebol para a malta da idade deles. Estão, a curto prazo, mais inclinados para uma atividade “todas as quartas” aqui no espaço – uma sessão de cinema que agrade vários públicos, por exemplo. “Mr. Bean” ou um “filme antigo português” poderão vir a fazer parte do programa, se a ideia avançar.

Mais tarde, Hugo pede ao grupo que “pense no que quer fazer aqui para a Junta dar resposta”. Sugere que os jovens se foquem numa “atividade concreta” e propõe um prazo. “Eu tenho que passar a informação a quem decide, o presidente da Junta e o resto dos vogais. Preciso de algo concreto. Hoje vim mais para vos ouvir. Não têm que ter a ideia hoje”. Hugo quer saber, nas próximas semanas, “como a [junta] pode apoiar”, mas quer que a ideia de atividade saia das suas cabeças. Nuno Wemans, coordenador de projetos no Clube Intercultural Europeu que trabalha com o grupo LYN há alguns meses, afina pelo mesmo diapasão: “[Têm que ser] coisas que sejam vocês a decidir e faça sentido para vocês. O espaço é vosso. Nós damos ajuda”. O WISE está a acontecer aqui e agora: a participação cívica é incentivada, ao mesmo tempo que se estreitam relações entre grupos de cidadãos e representantes políticos, numa altura em que, a nível nacional e europeu, há um grande afastamento entre ambas as partes.

Há 18 anos trabalhar na e para esta comunidade, Mário Maia, agora guia de visitas ao bairro no âmbito do projeto “Costas da Cidade”, junta-se ao grupo já o filme terminou. Quer dar “uma força” a esta rapaziada. É do bairro, conhece bem o contexto, considera que um dos problemas é que “as pessoas do bairro nunca tiveram nada” e que estes jovens podem marcar pontos nesta matéria.

Um dos adolescentes acaba de dizer que “necessitava de jovens mais velhos para ajudar”. “Se formos a casa de um deles [idosos] convidar, parece que estamos a gozar com a cara deles”.

Mário [mais conhecido por “Marinho”], técnico de Intervenção Comunitária bem conhecido no bairro, acaba por ser uma voz muito importante nesta conversa-debate, até porque em jovem sentia-se um pouco como os protagonistas desta sessão. “Eu compreendo-vos. Já aconteceu comigo, quando era mais jovem. Esta vergonha que têm, fui perdendo”. Sugere que se organizem, “se querem este espaço”, e dá dicas de como criar relação com as pessoas que querem cativar: “Estamos a beber um café e ouvimos que esta senhora faz anos no dia tal, vamos chamá-la [nesse dia]. Compramos bolinho. Ela fica satisfeita. A relação cria-se desta maneira”. Acredita que, com a experiência e a continuidade, vão perdendo os medos e ganhando respeito dentro da comunidade: “Se continuarem a fazer, perdem a vergonha”. Antes de sair, remata: “Pessoal, contem comigo.” Para quê? Para ir com os LYN convidar a comunidade e “incentivar as pessoas” a aparecerem nas suas atividades.

 

“DebatEuropa #1” revelou a grupo de adolescentes do Beato filme sobre como a UE pode ajudar a concretizar sonhos

A Rede DLBC Lisboa esteve ontem ao final da tarde no Espaço Jovem do C3, no âmbito do projeto WISE, a dinamizar uma conversa com um grupo informal de adolescentes sobre como a União Europeia faz parte ou pode vir a fazer parte das suas vidas

 

 

Marcado simbolicamente para a sala cogerida por estes adolescentes, numa das extremidades do bairro municipal João Nascimento Costa (Beato), este encontro contou com a presença de um representante do Clube Intercultural Europeu [associado da Rede DLBC Lisboa a intervir neste bairro e parceiro no projeto WISE] que começou a trabalhar com este grupo de uma forma mais estreita no final do ano passado.

A primeira sessão do “DebatEuropa” arrancou com a pergunta “O que já ouviram falar sobre a União Europeia?”. A livre circulação foi o direito dos cidadãos europeus mais referido nesta partilha de experiências, com um dos rapazes a contar a história de um colega que foi viver para a Alemanha e outro a mencionar a diversidade de etnias que compõem a sua turma.

Depois desta conversa preliminar, os adolescentes presentes escolheram, de cinco curtas-metragens do programa “EU and Me”, o filme “Party Animal”, realizado pelo grego Yorgos Zois. Em cerca de oito minutos é contada a história de Alex, um jovem subitamente atingido por um rasgo de inspiração, enquanto limpa uma sala num lar de idosos – lembrando o filme como a União Europeia pode ajudar este jovem a levar o seu sonho avante, através do incentivo Garantia Jovem.

 

 

O filme suscitou alguns comentários sobre música, os diferentes salários mínimos na Europa, o custo de vida em diferentes países, o sonho de viajar até França, experiências com familiares idosos, bem como programas e instrumentos da União Europeia que permitem a criação do autoemprego e que financiam projetos comunitários.

No final, os jovens foram desafiados a trazer para a próxima sessão do “DebatEuropa” uma atividade concreta para implementarem na comunidade, depois de partilharem a iniciativa que estão a preparar para este fim-de-semana: “um torneio aberto de ténis de mesa” para toda a comunidade no Espaço Jovem.